TCC- Farmácia

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 3 de 3
  • Item
    AVALIAÇÃO DO USO DE CONTRACEPTIVO EMERGENCIAL POR UNIVERSITÁRIAS E POSSÍVEIS EVENTOS ADVERSOS
    (Fundação Educacional de Lavras, 2023-05-05) Jacinto, Isamara Martins
    O uso indiscriminado do método contraceptivo emergencial comumente conhecido por pílula do dia seguinte é resposta da carência da educação sexual em ambiente e scolar, como a precariedade da orientação farmacêutica no momento da dispensação do contraceptivo. O fármaco desta pílula é o levonorgestrel. Assim que ingerido, o organismo da mulher fica exposto a uma série de transformações e sucessivamente a acontecim entos como o surgimento de eventos adversos desagradáveis. Objetivo: identificar o uso e eventos adversos comuns do contraceptivo emergencial no ambiente universitário, além de reforçar a importância do uso racional. Método Trata se de um estudo transversal que incluiu 330 estudant es do sexo feminino matriculadas nos cursos de graduação do Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS em Lavras MG. A coleta foi realizada através de um questionário o qual questões sobre sexualidade e uso de contraceptivo de emergência foram abordadas vi a Google FORMS enviado por meio de redes sociais como WHATSSAP, Instagram_ Direct, e outras. O estudo foi aprovado pelo Comitê de ética em pesquisa através do protocolo 48885221.2.0000.5116. Resultados sobre o perfil das participantes a maior parte são solteiras e têm entre 18 e 28 anos. 63.03% das participantes tiveram acesso a informações referente a sexualidade antes de iniciar a graduação. 62.04% já utilizaram o método contraceptivo emergencial. Além disso, 67.70 % alegaram que escolha do método contraceptivo foi realizada em conjunto com o parceiro e 81.68%, relata não ter sido orientada pelo profissional farmacêutico sobre o uso da pílula. Ainda, 64.04 % das participantes relaram sentir alteração no ciclo menstrual. Conclusão conclui-se que o uso indiscriminado do contraceptivo emergencial por universitárias seja resultado da falta de informações referente ao assunto e precariedade de orientação farmacêutica no momento da dispensação do medicamento.
  • Item
    ANÁLISE DO CONTROLE DE QUALIDADE DA IVERMECTINA MANIPULADA
    (Fundação Educacional de Lavras, 2022-11-04) Lucinda, Clóvis Montelo
    Com o surgimento de uma doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), que ocasionou em uma pandemia global, pesquisadores de todo o mundo começaram uma grande corrida em busca de um tratamento para o Covid 19 (doença causada pelo coronavírus), com isso foi estudado vários medicamentos e um deles foi a ivermectina, que se trata de um antiparasitário, que se demonstrou eficaz em teste in vitro, diante disso houve um aumento da procura desse medicamento nas farmácias magistrais, levando assim a um aumento na produção do mesmo. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade de cápsulas de Ivermectina produzidas em farmácias de manipulação. Para a realização dessa avaliação foram feitos os ensaios de determinação de peso, perfil de HPLC-DAD (cromatografia líquida de alta eficiência), perfil químico por espectroscopia de Raman e confirmação por espectroscopia no infravermelho com transformada de Fourier. A realização desse trabalho traz como importância identificar o impacto no aumento da produção do medicamento na qualidade de produção. Os espectros de absorção no UV não puderam elucidar com clareza a presença de ivermectina nas amostras. Na tentativa de elucidação segura, foram utilizados espectroscopia de Raman no infravermelho, confirmando assim que em todas as amostras analisadas nesse trabalho contém o insumo ivermectina. Devido ao polimorfismo, sugere-se que em algumas amostras a ivermectina se encontra em sua forma cristalina e em outras na forma molecular amorfa. Para a confirmação do polimorfismo é necessário que se realize a análise pelo método de Difração de Raio X.
  • Item
    AVALIAÇÃO DA FREQUÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS GASTROINTESTINAIS ASSOCIADOS AO USO DE CLORIDRATO DE METFORMINA DE LIBERAÇÃO PROLONGADA
    (Fundação Educacional de Lavras, 2022-11-12) Miranda, Maria Isabel Campos
    O diabetes mellitus é definido por hiperglicemia decorrente da deficiência na secreção de insulina e em sua ação, ou em ambos. O medicamento cloridrato de metformina é muito prescrito para o controle da doença. Os eventos adversos mais comuns ocasionados pelo uso deste medicamento são: diarreia, náuseas e/ou desconforto abdominal. Normalmente os sintomas são leves ou moderados, transitórios e associados à dose, manifestando-se no início do tratamento. Objetivo: Avaliar o perfil da frequência de eventos adversos gastrointestinais associados ao uso de metformina. Método: Tratase de um estudo observacional transversal, no qual foi relacionado a ocorrência de diarreia em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 que iniciaram o tratamento com cloridrato de metformina na dose de 500 mg de liberação prolongada. Resultados: 12 (41,37%) participantes eram do sexo masculino, e 17 (58,62%) dos participantes representando o sexo feminino. Houve presença de diarreia (n= 16) em mais da metade dos pacientes (55,2%) que utilizaram o medicamento. Os pacientes apresentaram em média 12 episódios de diarreia no mês. Houve também a presença de desconforto abdominal (n= 7), no qual 24,1% relataram ser muito alto. Além disso, a presença de eventos adversos gastrointestinais afetou as atividades diárias, nível de disposição, humor, vida familiar e social dos pacientes. Conclusão: O estudo mostrou que o medicamento cloridrato de metformina 500 mg de liberação prolongada, pode provocar eventos adversos gastrointestinais no início do tratamento e dura aproximadamente doze dias.