Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://localhost:80/jspui/handle/123456789/631
Título: CRIMINOLOGIA: O PERFIL SOCIAL DO CRIMINOSO E O SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO
Autor(es): Carvalho, Milena Silva Araújo de
Primeiro Orientador: Castanheira, Walkíria Oliveira
Palavras-chave: Ressocialização;Perfil de Presos no Brasil;Sistema Penitenciário Brasileiro;Perfil Social;Criminologia
Data do documento: 10-Nov-2020
Editor: Fundação Educacional de Lavras
Resumo: A Criminologia se torna cada vez mais importante sob a perspectiva das políticas Criminais e Sociais, uma vez que aborda o perfil social tanto como um meio de prevenção dos crimes, quanto como um meio de intervenção. Os fins da Criminologia são científicos, enquanto os do Direito Penal são normativo-repressivos. Objetivo: O presente trabalho tem como finalidade esclarecer o que é a criminologia, bem como os métodos utilizados por ela para contribuir com a diminuição da criminalidade. Entender quais são os possíveis motivos que podem levar o indivíduo a cometer um crime, sob diferentes perspectivas. Metodologia: Traçamos as fontes que embasam o perfil social do criminoso e a relação com a estruturação de seus núcleos familiares, juntamente com a prevista aplicação no sistema penitenciário brasileiro, utilizando-se da metodologia bibliográfica. Considerações gerais: Destarte, o problema gira em torno das fontes dentro do mundo jurídico que correlacionam o direito penal e o estado de direito e, se a ressocialização pretendida através da privação de liberdade, que bem se sabe não produz os efeitos almejados, não poderia ser efetivada através de medidas alternativas e com um acompanhamento individual de cada recluso, no qual se poderia ter um conhecimento de seus motivos alinhado a suas características individuais, com o intuito de afastar a utópica ressocialização e sua real eficácia. Conclusão: Neste norte, observou-se que na correlação de determinadas condições de vida social do homem com a perpetração do crime, é possível traçar vários fatores sociais criminógenos atuantes que contribuem de forma contundente para a prática criminosa.
abstract: Criminology becomes increasingly important from the perspective of Criminal and Social policies, since it addresses the social profile both as a means of crime prevention and as a means of intervention. The purposes of Criminology are scientific, while those of Criminal Law are normative-repressive. Objective: This work aims to clarify what criminology is, as well as the methods used by it to contribute to the reduction of crime. To understand what are the possible reasons that can lead the individual to commit a crime, under different perspectives. Methodology: We trace the sources that support the social profile of the criminal and the relationship with the structuring of their family nuclei, together with the planned application in the Brazilian penitentiary system, using the bibliographic methodology. General Considerations: Thus, the problem revolves around sources within the legal world that correlate criminal law and the rule of law, and if the intended re-socialization through deprivation of liberty, which is well known does not produce the desired effects, it could not be effected through alternative measures and with an individual monitoring of each inmate, in which one could have a knowledge of their motives aligned with their individual characteristics, in order to remove the utopian re-socialization and its real effectiveness. Conclusion: In this North, it was observed that in the correlation of certain social conditions of man with the perpetration of crime, it is possible to trace several criminogenic social factors that contribute in a strong way to criminal practice.
URI: http://localhost:80/jspui/handle/123456789/631
Aparece nas coleções:TCC-Direito

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC Milena Silva Araújo de Carvalho.pdf815.75 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.